Iraniana que concorre a Oscar: Irei boicotar a premiação contra banimento racista de vistos por Trump

A atriz Taraneh Alidoosti, que estrela o filme “O Apartamento” , indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, se soma a outras vozes do cinema, da academia e da multidão nas ruas que condenam o plano de Donald Trump de banir as pessoas provenientes de países muçulmanos.

Pelo Twitter, informou que irá boicotar a premiação em protesto ao endurecimento das restrições aos muçulmanos nos Estados Unidos anunciadas na primeira semana de Trump na Casa Branca.

A estrela iraniana escreveu no Twitter : “A proibição de vistos de Trump para iranianos é racista. Se essa atitude inclui eventos culturais ou não, não importa, porque eu não vou participar do #AcademyAwards 2017 em protesto.”

Taraneh Alidoosti with co-star Shahab Hosseini and director Asghar Farhadi on the red carpet in Cannes.
Taraneh Alidoosti with co-star Shahab Hosseini and director Asghar Farhadi on the red carpet in Cannes. Photograph: Alberto Pizzoli/AFP/Getty Images

O tweet de Alidoosti, que é uma das atrizes mais famosas no Irã e que foi já apontada como uma das melhores atrizes de sua geração, repercutiu internacionalmente nas redes sociais e na imprensa, a exemplo do norte-americano New York Times, do britânico The Guardian e Al Jazeera do Catar.

“O Apartamento” é dirigido por Asghar Farhadi (“A Separação”), co-estrelado por Shahab Hosseini (“Procurando Elly”) e Babak Karimi (“O Passado”), e concorre com os longas: “Terra de Minas” , “Um Homem Chamado Ove”, “Tanna” e “Toni Erdmann” na melhor categoria de língua estrangeira .

A premiação de estreia do Oscar acontecerá no dia 26 de fevereiro de 2017.

 

MILHARES PROTESTAM EM NOVA YORK CONTRA PLANO DE TRUMP QUE ATACA IMIGRANTES E REFUGIADOS

Na quarta-feira (25), dentre as medidas anunciadas por Trump, destaca-se a construção de um novo muro na fronteira com o México, restrição de vistos para cidadãos da Síria e de outros seis países do Oriente Médio e da África, além do congelamento de financiamento a cidades que protegem imigrantes em situação ilegal. Em meio a esses ataques, Trump também declarou em entrevista que considera a prática de tortura um método eficaz, acendendo todos os sinais de alerta máxima.

No dia seguinte em Nova York, milhares foram às ruas em protesto contra as medidas discriminatórias. A ordem de banimento começou oficialmente a ser aplicada na noite dessa sexta-feira com o impedimento de vários refugiados embarcarem em seus vôos para os EUA e detenção de vários refugiados com visto regularizado provenientes de países muçulmanos que acabavam de aterrisar  nos EUA. Veja aqui a cobertura do New York Times.

Ainda não é possível calcular o tamanho do desastre que poderá ter impactos sem precedentes nas políticas migratórias, na proteção aos direitos humanos, nas relações internacionais e na vida das pessoas que estão sendo levadas a deixarem seus paises por inúmeros motivos.

O recém empossado presidente norte-americano enfrentou o maior protesto da história dos Estados Unidos no último domingo (22) que levou milhões de pessoas para a Marcha das Mulheres contra Trump.

womens-march-on-washington.jpg
Photo: Reuters/Bryan Woolston

No site do Democracy Now! é possível encontrar mais informações sobre os protestos e entrevistas com ativistas dos direitos dos imigrantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s