Fonte: hhttp://bit.ly/2gIjq9C

  • Rafael Iandoli 08 Dez 2016 (atualizado 08/Dez 18h09)

Para organizações que tratam do tema, projeto avança ao trazer a dimensão dos direitos humanos e se afastar da de segurança nacional, que criminaliza a população migrante

Nova lei da migração está próxima de ser aprovada no país

Imigrantes haitianos ocupam postos de trabalho em fábrica de Manaus

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira (6), por 207 votos a 83, a nova Lei de Migração (PL 2516/15), que substitui o Estatuto do Imigrante, de 1980, como a principal legislação tratando da entrada, permanência, direitos e deveres dos imigrantes no Brasil.

O texto que vigorava até então era visto como um resquício da ditadura militar e, em diversos pontos, entrava em contradição com a Constituição de 1988.

A lei agora fica mais próxima de entrar em vigor. O projeto original foi proposto pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) e, após sofrer algumas modificações na comissão especial da Câmara, chegou ao plenário em julho. Agora, volta para aprovação do Senado e, caso isso aconteça, depende apenas da sanção presidencial para começar a valer.

O texto é visto como um importante avanço por algumas das organizações que trabalham com os direitos dos imigrantes no país. Para Lúcia Sestokas, pesquisadora do ITTC (Instituto Terra, Trabalho e Cidadania), o projeto de lei “trabalha para mudar o paradigma de direitos”.

“[O Estatuto do Estrangeiro, ao] falar de migração como assunto de segurança nacional, o imigrante é visto como uma ameaça à nação, ao trabalhador nacional. Agora, o que a lei vai falar é que migração é um direito, e pessoas imigrantes têm direito a ter direitos. Essa é a principal mudança de paradigma”

Lúcia Sestokas, Pesquisadora do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, ao Nexo

Camila Asano, coordenadora do Programa de Política Externa e Direitos Humanos da Conectas, concorda, e ressalta ao Nexo a importância do país superar uma lei criada no regime militar.

“A lei vem como parte do processo de democratização do Brasil – bem tardio, nesse caso – de abandono das legislações autoritárias criadas em um período autoritário”

Camila Asano, Coordenadora na Conectas

Em artigo de 2010 na revista “Le Monde Diplomatique”, Deisy Ventura, professora da USP, e Paulo Illes, do CDHIC (Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante), ao falar sobre o Estatuto do Estrangeiro, já ressaltavam que “não há controvérsia sobre a urgência de revogá-lo”.

Principais pontos da Lei de Migração

Diminuição da burocracia

A nova lei facilita o acesso do imigrante à documentação necessária para viabilizar sua permanência legal no país, permitindo seu acesso a serviços públicos e ao mercado de trabalho formal, situação dificultada pelo Estatuto do Estrangeiro.

Fim da prisão por situação irregular

Outra mudança com relação ao Estatuto é que nenhum imigrante no Brasil pode ser preso pelo fato de sua situação documental estar irregular. Embora o artifício não seja muito usado, está previsto na legislação que vigora atualmente.

Direitos políticos

O Estatuto de 1980 também proíbe o estrangeiro de exercer qualquer atividade de “natureza política”. A legislação, incompatível com a Constituição e com leis internacionais, é tida como fonte de incertezas sobre o que um imigrante pode ou não fazer em território brasileiro. A nova lei acaba de vez com a proibição e garante o direito do imigrante em se associar a reuniões políticas e sindicatos.

Processo de formulação da lei

Tanto Sestokas quanto Asano foram positivas ao comentar a abertura do Legislativo ao debate com a sociedade civil. Asano classificou o processo como “referência de como um projeto de legislação dessa envergadura deveria ser discutido”.

Ela destacou a abertura do relator da comissão na Câmara, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) e da presidente da comissão, deputada Bruna Furlan (PSDB-SP), em receber, avaliar e adicionar ao texto da lei contribuições da sociedade civil. Também comparou a formulação da lei de migração com outros processos legislativos de grande importância nacional.

“Para citar alguns exemplos, a lei antiterrorismo, aprovada esse ano, foi aprovada a toque de caixa, sem a devida discussão junto à sociedade e especialistas para uma matéria tão relevante. […] Um outro projeto de envergadura enorme é a PEC 55 dos gastos públicos, que está sendo aprovada sem que haja a participação e o debate com a sociedade”

Camila Asano, Coordenadora na Conectas

Sestokas também falou sobre o “contato continuado” de diálogo entre a comissão e algumas organizações envolvidas com o tema da migração no país, e destacou como a legislação serve também como uma barreira para avanços no tema.

“Pela lei atual, migrantes não têm direito à participação política. […] Então a gente cai num paradoxo. Como que a gente faz uma participação ampla das pessoas que vão ser afetadas por essa lei sendo que, por lei, elas não podem participar?”

Lúcia Sestokas, Pesquisadora do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania

A legislação, notadamente progressista, ganha ainda mais destaque quando comparada ao contexto internacional em que está inserida, com a crise dos refugiados. Os países mais desenvolvidos, que notadamente recebem menos migrantes do que poderiam, vivem um momento de restrição ainda maior em suas legislações para estrangeiros.

O presidente-eleito dos EUA, Donald Turmp, venceu as eleições com uma plataforma declaradamente hostil aos imigrantes. Em seu plano de governo, diz que vai “estabelecer novos controles de imigração para impulsionar salários e assegurar que postos de trabalho sejam abertos e oferecidos primeiro aos trabalhadores americanos”.

“A aprovação dessa lei tem um valor adicional, pois se dá em um momento de grave crise humanitária. A comissão especial fez um trabalho vasto e profundo ao longo de meses, ouvindo migrantes e entidades”

Deputado Orlando Silva, Relator da nova lei de migração na Câmara

As limitações do texto

O jornalista congolês, imigrante e professor em São Paulo, Christ Kamanda, ressaltou ao Nexo que o Estatuto do Estrangeiro faz do Brasil um país formado por imigrantes “não receptivo aos novos imigrantes”. Para ele, a nova lei é importante por se afastar do estatuto e tentar trabalhar a questão dos direitos humanos, mas lembra que ainda falta ao país uma autoridade migratória civil.

A ideia da criação de uma autoridade do tipo seria tirar das mãos da Polícia Federal alguns aspectos que circundam a entrada de migrantes no país, como a a recepção das solicitações de refúgio e os processos de emissão de documentação.

A competência para criar uma instituição do tipo é do poder Executivo, e não do Legislativo. Mas a lei aprovada na Câmara mantém a polícia como responsável por algumas decisões, o que, para Sestokas, abre margem para discricionariedades da autoridade migratória na hora de decidir quem pode ou não entrar no país.

“É diferente falar que o controle de entrada e saída de imigrantes vai ser de uma autoridade competente e que vai ser da Polícia Federal”

Lúcia Sestokas, Pesquisadora do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania

Asano também lembrou que a nova lei ainda tem espaço para melhorias especialmente para os casos dos imigrantes do “Conector” – espaço na área internacional do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, em que imigrantes, com ou sem todos os documentos necessários para serem admitidos no país, ficam detidos, em alguns casos por meses, sem acesso a qualquer informação ou atendimento.

“É muito importante ter um reforço na parte de garantia do devido processo, inclusive na parte administrativa, para garantir que o imigrante que esteja em situação irregular não passe por processos arbitrários que possam o levar à deportação. Inclusive para os casos dos imigrantes no espaço ‘Conector’. […] Situações como essa podiam estar ainda melhor protegidas pela nova lei”

Camila Asano, Coordenadora na Conectas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s